Certains contenus de cette application ne sont pas disponibles pour le moment.
Si cette situation persiste, veuillez nous contacter àObservations et contact
1. (WO2018058213) TOUR D’HUMIDIFICATION, DE STÉRILISATION, DE REFROIDISSEMENT, DE CONGÉLATION ET DE SÉCHAGE DE GRAINS
Note: Texte fondé sur des processus automatiques de reconnaissance optique de caractères. Seule la version PDF a une valeur juridique
"TORRE DE UMIDIFICAÇÃO, ESTERILIZAÇÃO, RESFRIAMENTO, CONGELAMENTO E SECAGEM DE

GRÃOS"

Assunto:

[001] A presente patente de Invenção refere-se a uma torre utilizada com objetivo de prolongar a durabilidade dos grãos em silos de estocagem, através de procedimentos de umidificação, esterilização, resfriamento, congelamento e secagem dos grãos, podendo estes serem aplicados em conjunto, ou separadamente, de acordo com a necessidade de cada cultura em particular.

Estado da Técnica:

[002] A secagem prévia para posterior armazenamento de grãos, oleaginosas e forrageiras é necessário para que estes atinjam os padrões de % de b.u. (base úmida) exigidos tendo em vista a conservação dos mesmos e padrões estabelecidos pelo mercado. Como exemplo, podemos citar os percentuais exigidos: sementes de girassol:7% b.u., coisa: 8% b. u. , café: 12% b.u . , milho: 14% b. u. , trigo: 1 3% b.u. entre outros.

[003] Para garantir o equilíbrio higroscópico dos grãos, sua qualidade e durabilidade, é necessário o controle da umidade e da possibilidade de contaminação por fu ngos e a proliferação de insetos, uma vez que, em geral, o armazenamento é aeróbico, ou seja, sujeito a ataques de fungos e insetos, diminuindo a durabilidade dos grãos.

[004] Com relação ao índice de umidade dos grãos, deve ser controlado o excesso de umidade, o que aumenta muito a proliferação de fungos e até mesmo a fermentação, e também

a falta de umidade, que ocasiona perda do produto em peso, trazendo prejuízos económicos.

[005] Dependendo do clima na época da colheita, quando quente e seco, os grãos são colhidos com índice de umidade abaixo do recomendado. Como exemplo, podemos citar a soja, com padrão de umidade definido em 14% b. u., normalmente colhido com índice de 10% b.u . , o que representa uma perda real de seu peso de 4,44%, resultando na necessidade de venda de mais matéria seca para repor o que foi perdido em água.

[006] Além disso, deve-se citar que a armazenagem no interior do silo, sem que haja nenhuma intervenção de procedimento e/ou processo, não é possível obter a padronização da umidade dos grãos.

[007] Esta problemática de difícil equilíbrio higroscópico dos grãos, relativo à capacidade dos grãos em absorver e ceder umidade e calor ao ambiente, resulta em sig nificativas perdas no setor.

[008] São conhecidas da técnica torres de secagem de grãos, que objetivam reduzir o índice de base úmida dos grãos armazenados no silo.

[009] Ditas torres de secagem consistem no aq uecimento dos grãos com ar quente, fazendo com que os grãos, ao aquecer, reduzam a umidade, atingindo os valores de base úmida exig idos pelo mercado. No entanto, a forma de aplicação do ar quente não garante homogeneidade no resultado final, gerando gradientes de temperatura e u midade, proporcionando ainda mais o aparecimento de fungos e insetos.

[010] Com relação à posterior manutenção da temperatura dos grãos, de modo a manter o índice de base úmida atingido na torre de secagem e evitar a proliferação de fungos e insetos, são conhecidos sistemas de resfriamento de grãos que atuam através da injeção de ar frio na base do silo, com objetivo de resfriar os grãos. Ocorre que este método proporciona a concentração de impurezas na parte central e lateral dos silos, e aquecimento em diversos setores da massa de grãos armazenada. Existem também sistemas de aeração e resfriamento artificial , com alto custo de implantação e consumo de energia, permanecendo uma perda de até 10% dos grãos armazenados pelos problemas já citados.

Conceito Inventivo:

[01 1 ] A presente Torre de Umidificação, Esterilização, Resfriamento, Congelamento e Secagem de Grãos propõe um efeito técnico novo, pois tem como base o conceito inventivo de solução da problemática existente com relação ao estado da técnica do objeto.

[012] A torre em questão foi desenvolvida de modo a proporcionar, além da umidificação e secagem dos grãos, a esterilização, o resfriamento e congelamento dos mesmos, com objetivo de manter o índice de base úmida atingido na etapa de umidificação e torná-los im unes ao ataque de fungos e insetos através do resfriamento e/ou congelamento, aumentando m uito a sua durabilidade.

[01 3] Este objetivo é atingido pois a baixa temperatura reduz a taxa de respiração dos grãos, evitando o ataque de fungos, a perda de vigor, a germinação e queima de matéria seca. O fato da taxa de respiração dos grãos estar muito baixa, ou seja, com desprezível troca de umidade e calor com o ambiente, somado à sua característica de auto isolamento térmico, se reduz também o ataque de insetos, assegurando, no conjunto, a armazenagem seg ura de no m ínimo 12 meses, e no máximo de 5 anos, dependendo do grão, sem a utilização de qualquer produto qu ímico ou natural .

[014] A esterilização ocorre através da aplicação de vapor seco a 300°C ao longo da torre, sendo esta a única forma de exterminar com os fungos oriu ndos da lavoura, os quais, se se mantiverem nos grãos, irão transformar-se em aflatoxina. A aflatoxina é um dos principais tipos de substâncias tóxicas produzidas por fungos durante a ação de decomposição dos alimentos, altamente prejudicial à saúde, sendo, inclusive, cancerígena.

[015] As características de umidade e tem peratura de resfriamento e congelamento dos g rãos devem ser adequadas de acordo com o ti po de grão, oleaginosa ou forrageira, clima da região e período de conservação necessário.

[016] Para tanto, a torre descrita possui atuação multifuncional, q ue permite a circulação do ar de diversas formas, de acordo com o processo a ser realizado. Acoplado na torre, tem-se a câmara de tratamento de fluxo de ar, a qual contém em si os meios de distribuir vapor saturado, vapor seco preferencialmente a 300°C, ar quente e ú mido e ar refrigerado.

[01 7] Para o procedimento de umidificação dos grãos, a partir de vapor satu rado entre 1 00°C e 140°C, homogeneíza o índice de base de umidade no valor adequado à cultura. O vapor saturado é distribuído ao longo a torre, sendo que o todo o vapor saturado excedente é redirecionado à câmara de tratamento de fluxo de ar através do túnel de recuperação de vapor, resultando em um circuito fechado de fluxo de ar.

[01 8] Para realizar a esterilização, a câmara de tratamento de fluxo de ar trata e distribui vapor seco preferencialmente a 300°C, o quaí é d istribu ído verticaímente ao iongo da torre, ocorrendo, da mesma forma, a recuperação de excedente pelo túnel de recuperação de vapor. Nesta temperatura , o vapor seco penetra nos grãos e queima os ovos e larvas de insetos vivos, bem como elimina por completo os fungos que geram aflatoxina. Por este motivo, este processo é denominado esterilização.

[01 9] Nas situações em que o grão é colhido com umidade superior aos padrões, é necessário q ue ocorra a secagem dos mesmos. Para que ocorra a secagem dos g rãos, a câmara de tratamento de fluxo de ar trata e distribui fl uxo de ar entre 30°C a 1 50°C, o qual é distribuído verticalmente ao longo da torre. O ar ú mido é retirado do interior da torre por ventiladores centrífugos posicionados ao longo da mesma e o fl uxo de ar existente é recuperado totalmente através do túnel de recuperação de calor, retornando à câmara de tratamento de fluxo de ar, para condensar a umidade extraída do grão para posterior aquecimento, config urando um circuito fechado de secagem .

[020] O resfriamento dos grãos é a última etapa do processo, e possibilita a armazenagem de grãos na umidade ótima em uma temperatura de 1 0°C por até 3 anos. Para tanto, a câmara de tratamento de fluxo de ar, através de um radiador de frio, trata o ar refrigerado que é distribuído ao longo da torre de forma escalonada, por setores. Este escalonamento da distribuição do frio é necessário para que os g rãos da parte superior da torre, naturalmente em maior temperatu ra, tenham resfriamento gradual, mantendo suas características. Nos casos em que a temperatura do local esteja menor que a temperatura interna da torre, é aberto o registro superior para a saída do ar quente.

[021 ] Assim, com um único conjunto de equipamentos é possível a realização dos procedimentos distintos descritos para a conservação dos grãos no interior da torre, bastando, para tanto, escolher a forma de funcionamento.

Campo de Aplicação:

[022] A aplicação da presente Torre de Umid ificação, Esterilização, Resfriamento, Congelamento e Secagem de Grãos se dá na utilização deste para armazenamento de produtos agrícolas.

Vantagens:

[023] A presente proposta de Torre de Umidificação, Esterilização, Resfriamento, Congelamento e Secagem de Grãos tem como vantagens, com relação ao estado da técnica do objeto em questão:

• Possibilita a correção de índice de umidade no armazenamento e expedição de grãos, oleaginosas e forrageiras, de acordo com cada cultura em especial, evitando perdas em peso pela evaporação da umidade ou os danos e perdas pelo excesso de umidade.

• Possibilita, assim , o aumento do % de base úmida dos grãos para que atinja os padrões de mercado, através do procedimento de umidificação por vapor úmido;

• Possibilita a diminuição do % de base úmida dos grãos para que atinja os padrões de mercado, através do procedimento de secagem ;

• Possibilita a esterilização dos grãos de forma a impedir a formação de aflatoxina, através do procedimento de aplicação de vapor seco;

• Possibilita o resfriamento dos grãos à tem peratu ra de 1 0°C ou menos, através do procedimento de refrigeração, permitindo sua armazenagem por 3 anos ou mais, sem a perda de suas características;

• Evita a infestação por fungos e a proliferação de insetos, evitando, consequentemente, o descarte dos grãos;

• Proporciona maior durabilidade e manutenção da qualidade dos g rãos armazenados e expedidos, o q ue significa ganhos reais ao produtor;

• Eficiência de controle de temperatura dos grãos;

• Proporciona o oferecimento ao consumidor de grãos de meihor qualidade, principalmente no tocante à não formação da aflatoxina, extremamente prejudicial à saúde.

Ilustrações:

[024] No intuito de facilitar a pesquisa e proporcionar entendimento da presente patente, conforme preconizado no relatório, segundo uma forma básica e preferencia! de realização elaborada peio requerente, faz-se referência às ilustrações anexas, que integram e subsidiam o presente relatório descritivo onde, a:

FIG. 01 - apresenta a torre contendo esquema de fluxo de ar no procedimento de umidificação e esterilização dos grãos;

FIG. 02 - apresenta a torre contendo esquema de fluxo de ar no procedimento de secagem dos g rãos;

FIG. 03 - apresenta a torre contendo esquema de fluxo de ar no procedimento de refrigeração dos grãos.

Descrição:

[025] A Torre de Umídificação, Esterilização, Resfriamento, Congelamento e Secagem de Grãos é composta pela torre térm ica (1 ) dotada de bocal de alimentação (2), superior, por onde são colocados os grãos vindos da colheita, e de bocal de saída (3) para o descarregamento, na qual são expedidos grãos de diversos tipos.

[026] A localização dos grãos ocorre na câmara interna de grãos (5) ao redor da qual se tem a câmara de ar (6) por onde percorre o ar gerado na câmara de tratamento de fluxo de ar (7), para que cada procedimento seja realizado.

[027] Na câmara de ar (6) existem, superiormente, duas linhas de ventiladores centrífugos (8) intercalados por duas linhas de registros (9) e (1 0), e, inferiormente, uma linha de ventiladores centrífugos (1 1 ). I nteriormente a câmara de ar (6) possui os registros horizontais (12) e (13).

[028] A câmara de ar (6) e a câmara de tratamento de fluxo de ar (7) são interligadas pelo túnel de recuperação (14), de modo a permitir o fluxo contínuo entre estas.

[029] A câmara de tratamento de fluxo de ar (7) contempla o radiador de frio (1 5), o injetor de vapor úm ido (16) e o radiador de calor (17), que são acionados de acordo com cada procedimento, assim como o reg istro (1 8).

[030] Para o procedimento de umídificação dos grãos, o injetor de vapor úmido (16) injeta vapor úmido na temperatura de 1 00°C a 140°C, estando o registro (1 8) da câmara de tratamento de fluxo de ar (7) fechado, de forma a gerar o fluxo de ar úmido A, que percorre a câmara de ar (6), penetrando na câmara interna de g rãos (5). O registro (12) deve estar fechado, assim como os registros (9) e (1 0). O registro (13) deve estar aberto para permitir a circulação do fluxo de ar A e distribuição do vapor úmido ao longo da torre térmica (1 ).

[031 ] O vapor úmido retorna à câmara de tratamento de fiuxo de ar (7) peio túnel de recuperação (14), formando um circuito fechado, uma vez que os ventiladores centrífugos (8) e (1 1 ) estão fechados. Desta forma, a umidade que circula por entre os grãos permite que o % de base úmida seja adequado aos padrões. Opcionalmente o registro (12) pode estar aberto e o registro (13) fechado, ou ambos abertos, ou ambos fechados, conforme a quantidade de g rãos existentes na câmara interna de g rãos (5).

[032] Para que ocorra a esterilização dos grãos, o mesmo fluxo de ar A é injetado pelo injetor de vapor úmido (16) da câmara de tratamento de fluxo de ar (7), sendo que, neste caso, o vapor é seco, em temperatura entre 280°C a 320°C. Da mesma forma, o registro (12) deve estar fechado, assim como os registros (9) e (1 0), o reg istro (1 3) deve estar aberto. O excedente de vapor seco retorna à câmara de tratamento de fluxo de ar (7) pelo túnel de recuperação (14). Opcionalmente o registro (12) pode estar aberto e o registro (13) fechado, ou ambos abertos, ou ambos fechados, conforme a quantidade de grãos existentes na câmara interna de grãos (5).

[033] O procedimento de secagem dos grãos em circuito fechado ocorre pela circulação do fluxo de ar B , sendo que o ar ambiente recircula na câmara de tratamento de fluxo de ar (7) pelo registro (1 8), que fica fechado, e passa pelo radiador de frio (1 5). Os registros (12) e (1 3) ficam abertos de forma a possibilitar o livre fluxo do ar no interior da câmara de ar (6). O ar úm ido é retirado da torre térmica (1 ) pelos ventiladores centrífugos (8) e pelos registros (9) e (1 0) que permanecem fechados. O ar do fluxo B retorna à câmara de tratamento de fluxo de ar (7) pelo túnel de recuperação (14), para condensar a umidade extraída do grão para posterior aquecimento, configurando circuito fechado de secagem .

[034] Para a refrigeração dos grãos e sua permanência em 10°C ou menos e % de umidade básica padrão, é tratado e distribuído o fluxo de ar C pelo radiador de frio (1 5) da câmara de tratamento de fluxo de ar (7) com registro (1 8) fechado, sendo que este fl uxo de ar C é distribuído de forma escalonada nos setores I, II e II I , passando o ar frio primeiro nos g rãos do setor í , seguindo para os demais na sequencia. Para tanto, os registros (1 0), (12) e (13) devem estar fechados, assim como os ventiladores centrífugos (8) e (1 1 ). O reg istro (9) permanece aberto com regulagem para que ocorra a saída do ar quente. O ar do fíuxo C retorna câmara de tratamento de fluxo de ar (7) pelo túnel de recuperação (14).

[035] A circulação do fluxo de ar C pelos setores I , I I e II I ocorre através do fechamento dos registros (12) e (13) do interior da câmara de ar (6), fazendo com que os g rãos sejam resfriados gradualmente, de baixo para cima, proporcionando com isso a saída superior do ar quente remanescente.

Conclusão:

[036] Deste modo, a Torre de Umidificação, Esterilização, Resfriamento, Congelamento e Secagem de Grãos é subsidiado por características técnicas e funcionais inéditas, como se pode verificar nas figuras anexas e compreender no relatório descritivo, merecendo, portanto, a proteção iegal pleiteada.